25.7.06

Liberdade de expressão

Termo muito usado e muito requisitado. Porém sua significação é pouco praticada, falamos o que pensamos, o que nem sempre é planejado, necessário e utilitário. E a partir do momento em que nos é cortada a capacidade de pensar, sem auxílio de terceiros, também nos é tirada a liberdade que temos de nos expressar. Liberdade de expressão não é simplesmente falar o que se tem vontade, a torto e a direito. A questão é mais complexa. O que eu quero dizer é aquele dito que nem sei se é popular "perdeu a oportunidade de ficar calado". Temos a liberdade de expressão, mas temos que saber utilizá-la para engajar os ouvintes.

No programa "Liberdade de expressão" de hoje, transmitido pela CBN, Herodoto e Arthur Xexéu levantaram a falta de educação da sociedade, leia-se cordialidade. Exemplos como de juízes, policiais e outros profissionais que impõem autoridade além do ambiente de trabalho foram criticados a tal modo de se associar ao coronelismo. Perguntas como "você sabe com quem está falando?" já acanharam bastante pessoas impostas a humilhações desmedidas. É um fato abordado e infelizmente não consciente para todos. Claro que não estou generalizando, porém nesses casos, quanto maior a instrução da pessoa, quanto maior o grau hierárquico, quanto maior é sua conta bancária, menor é sua dedicação à educação, menor é o respeito. Intitular de posições favorecidas por competência profissional é mascarar o que não se é.

As pessoas antes de se adequar e incorporar seu cargo e função, deveriam antes de qualquer coisa exercer o merecimento do termo ser humano, ou seja, saber lidar com um, praticando o tratamento igualitário de respeito e honra ao outro cidadão que por direito merece. O que percebo que as pessoas se escondem em seus brasões, em seus títulos para demonstrarem poder, sendo que o que é perceptível é o básico, é a elegância da gentileza. O pior pobre é o pobre de espírito.

4 comentários:

Rodrigo Soares disse...

Bem... o que posso dizer? Você já falou tudo! É claro que temos exemplos (raros) de casos contrários, como o Mr. Bob (piada interna hehe), mas, como disse, são raridade. E o pior de tudo é algo que se chama "desacato à autoridade", que dá mais conforto (e respaldo, talvez) a quem gosta de pisar na dignidade alheia.
Parabéns pela abordagem extremamente pertinente e inteligente e tudo mais ente que puder imaginar... =D

Severo disse...

vc disse tudo, o rodrigo acrescentou e o que eu posso fazer? tenho "saudade" de ouvir a CBN principalmente esse programa Liberdade de expressão" além do comentário de Arnaldo Jabor.

esse "vc sabe com que está falando" me fez lembrar de uma aula importante de antropologia que foi feito um debate sobre isso e eu faltei no dia, que baita sacanagem, agora fiquei sem argumentos para incrementar o assunto.

ps. minhoca na areia quente foi a melhor definição.

Severo disse...

Cony e Xexéo

A sociedade do "jeitinho"

http://radioclick.globo.com/cbn/comentarios/conyexexeo.asp

Let disse...

Adorei o texto!
Tem um pensamento, acho que do Oscar Wilde que diz o seguinte:

"Poucas pessoas sabem o momento psicologicamente exato de ficarem caladas."

bjo